1 de abril de 2017
Páscoa divide expectativas do varejo
Varejo SA por Varejo SA

Supermercados têm menos encomendas e estão cautelosos. Redes especializadas esperam bons negócios e investem em lançamentos e produtos exclusivos para atrair consumidores

Muitos empresários avaliam que as vendas na Páscoa não irão aumentar neste ano em comparação a 2016, devido ao desemprego e ao orçamento mais contido das famílias. Outros estão esperançosos quanto ao impacto econômico dos saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que poderão impulsionar as compras. Apesar do contexto restritivo, as redes especializadas estão de olho na melhora do mercado à frente e apostam em lançamentos e linhas específicas para conquistar e fidelizar clientes.

Pesquisa feita pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras) detectou as tendências:

  • 48,5% dos supermercados esperam que as vendas na Páscoa fiquem no mesmo nível das do ano passado.
  • 39,4% dos supermercadistas projetam queda nos negócios.
  • 12,1% estão otimistas e esperando movimento maior.

Ao divulgar os dados, a Abras informou que o resultado era o esperado, considerando que a economia fraca após dois anos de recessão e queda no consumo deixou os varejistas receosos.

Em consequência da cautela, a enquete mostrou uma queda nominal de 4,9% nas encomendas dos supermercados para a Páscoa. Descontada a inflação, essa retração é de 7,7%.

Em relação às encomendas de chocolates, um item tradicional nessa época, os varejistas preferiram apostar em produtos de menor valor agregado. Veja o resultado das encomendas em relação ao ano de 2016:

Cesta mais cheia

Encomendas dos supermercadistas cresceram em 2017, em comparação a 2016

  • Caixas de bombons de 400 g: + 4,0%.
  • Chocolates em barra e tabletes: + 4,0%.
  • Bombons-bola: + 2,1%.
  • Cerveja: + 4,5%.
  • Azeite: + 3,4%.
  • Peixe: + 1,0%.
  • Vinho nacional: + 0,6%.

Esvaziando a cesta

Itens que registraram redução nas encomendas em relação ao ano passado:

  • Ovos de Páscoa em geral: – 9,8%.
  • Ovos de Páscoa entre 150 e 500 g: – 9,8%.
  • Ovos importados: – 1,5%.
  • Colomba pascal: – 5,2%.
  • Vinho importado: – 0,3%.
  • Bacalhau: – 0,2%.

 

Indústria menos otimista

De acordo com a Associação Brasileira de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), a quantidade de lançamentos de produtos para a Páscoa caiu de 147, no ano passado, para 120 neste ano. O número de empresas expositora no Salão da Páscoa deste ano também diminuiu, de 11 para 9, representando mais de 70% dos produtos no mercado de chocolates do país. Os empregos temporários para a data também estão mais escassos. Em 2016, a Páscoa gerou 29 mil vagas temporárias no país e, neste ano, a previsão é de 25 mil, sendo 15% para a produção e 85% para a promoção e cadeia de venda. Para a Abicab, a queda de quatro mil vagas se deu no setor de produção, em que houve reaproveitamento de mão de obra já existente.

Mimos ao consumidor

Atentas ao cenário econômico e ao comportamento do cliente, mas confiantes na melhora das vendas, as redes especializadas investem em lançamentos exclusivos e ampliação da oferta dos itens de Páscoa

As grandes redes varejistas de chocolate no Brasil estão otimistas. A Cacau Show, rede com 2.050 lojas abertas, prevê alta de 14% nas vendas. Para atender a essa demanda, a rede produziu 8,5 mil toneladas de chocolate, para dar origem a mais de 40 produtos da marca.

A Chocolates Brasil Cacau é outra marca que acredita em bons negócios. Com o portfólio exclusivo para a época reforçado com 14 lançamentos e embalagens novas, a rede informa que o investimento visa a atrair consumidores que buscam variedade, qualidade e preços acessíveis. “Prevemos crescimento de até 10% em relação a 2016. Para nos adaptarmos ao cenário de crise, lançamos uma grande variedade de produtos com diferentes faixas de preço, para atender às necessidades dos consumidores”, afirma a vice-presidente do Grupo CRM, Renata Moraes Vichi. A Chocolates Brasil Cacau conta com 420 lojas em todo o país.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *