25ª edição
out_Integra_Memorial_NH_reduzido
CDL-NH inaugura Memorial do Comércio
9 de outubro de 2018
3badfb6c96f92b6bbcefe3f487f357db
Terceirização: uma luz no fim do túnel
9 de outubro de 2018

Dia das Crianças embala um mercado que passa longe da crise

Por Joana Marins

Indústria de brinquedos acumula alta e se reinventa para seguir assim

out_MovimentoVarejo_diadascrianacas_reduzido

Benjamim Alves tem menos de dois anos de idade, mas já é dono de um baú em que guarda mais de 40 brinquedos e tem uma pequena biblioteca com 15 livros – fora um armário com várias peças ainda fechadas, na espera da ocasião certa para chegar às mãos do pequeno. “Ele ainda tem muitos brinquedos guardados da festa de aniversário de um ano. Não quisemos dar tudo no mesmo dia, senão perde a graça e ele não valoriza. Agora vem o Dia das Crianças e ele irá ganhar ainda mais, principalmente dos avós”, conta o pai, Heitor Alves.

out_MovimentoVarejo_diadascrianacas_Benjamin3_reduzido

Tudo indica que Benjamim não está sozinho, tanto que o desempenho da indústria nacional de brinquedos tem crescido nos últimos oito anos. De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), desde 2009, o faturamento cresce ininterruptamente, sempre com alta da produção nacional, passando longe da crise. Em 2016, o faturamento total da indústria (preço de varejo) foi da ordem de R$ 6 milhões, com uma produção nacional de R$ 3,4 milhões. O resultado significa crescimento de 7% em relação a 2015. “Em mais quatro anos, a produção nacional deverá ficar com 70% do mercado”, afirmou o presidente da entidade, Synésio Batista da Costa, em entrevista à rede EBC.

Todo o varejo pode surfar nessa onda, agora que uma das mais lucrativas datas do ano para o comércio está chegando: o Dia das Crianças. Mesmo em época de crise, os pequenos seguem ganhando presentes e pais, avós, tios e amigos não deixam de ir às lojas. Em 2017, a expectativa de consumo para o Dia das Crianças, segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais, era de que 75% dos brasileiros deveriam ir às compras na data. O consumidor gastou uma média de R$ 200 por presente, o que significou uma movimentação de aproximadamente R$ 9,7 bilhões no comércio.

Os números nada modestos refletem um mercado que está cada vez mais conectado e atento às necessidades de seu público-alvo: as crianças e os pais – necessariamente nessa ordem. De acordo com estudo realizado pelo canal Discovery Kids (líder de audiência na TV paga) em 2010, enquanto quase 75% dos pais costumavam brincar na rua e ir a pé à escola e mais da metade pegava ônibus sozinho, atualmente menos de 15% dos filhos andam sem a companhia de um adulto pela cidade. Aumentou em 5% a proporção de crianças que jogam videogame e recebem amigos em casa; por outro lado, diminuiu em 25% o número das que dormem fora. Assim, os pais passaram a dar mais autoridade aos filhos dentro do lar. Na prática, as crianças têm hoje mais liberdade para escolher o que vão comer e assistir e definir o horário de dormir.

Essa realidade transformou os pequenos em consumidores que já sabem o que querem – e, muitas vezes, o presente ideal deve gerar identificação (ou seja, o brinquedo deve traduzir um pouco da realidade em que a criança vive). Quem percebeu essa tendência foi a Mattel, fabricante da Barbie. Em 2016, ela ampliou a linha Barbie Fashionista; agora, a boneca não é apenas loira e magrinha, mas conta com três novos tipos de corpo, além de sete tons de pele, 22 cores de olhos e 24 penteados. “Estamos animados com as bonecas. A variedade nos tipos de corpo, tons de pele e estilos permite que as meninas encontrem uma boneca que fale diretamente com elas”, afirma Evelyn Mazzocco, vice-presidente sênior e gerente geral global desse produto. A nova linha deu certo. Segundo o site norte-americano Huffpost, após quatro anos de queda, as vendas da boneca subiram 7% em 2016 – uma das responsáveis pelo sucesso foi a Barbie versão latina, a mais vendida daquele ano na linha das fashionistas.

São muitas as formas de aproveitar a data para aumentar as vendas. Descubra sua criança interior e se inspire!

BOX – Dicas para aproveitar o Dia das Crianças

1 – Segmente seu público

Faça uma análise na sua loja – on-line ou off-line – e veja como ela pode aproveitar a data. Então, segmente seu público e pense como atingir as crianças e seus pais. Para lojas físicas, mude a vitrine e faça promoções pensando nesse público específico. Para as lojas on-line, uma boa dica é criar filtros de palavras sugeridas.

2 – Descubra as novidades
Faça uma imersão no universo infantil. Esse mercado se reinventa e sempre tem um brinquedo novo, um desenho animado da moda ou um filme. Fique atento para aproveitar a onda do momento.

3 – Analise seu histórico para a data
Veja como você aproveitou o Dia das Crianças em anos anteriores, o que deu certo e o que deu errado. Depois dessa análise, veja o que pode ser ajustado e reaproveitado.

4 – Entre em contato com sua criança interior
Todos nós já fomos crianças e sabemos o que nos impulsionava. Por mais que os tempos sejam outros, criança será sempre criança.

 

shares