13ª edição

Por Renata Dias

Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia foram palco de discussões sobre os desafios e perspectivas do setor de comércio e serviços. A integração de atores estaduais é chave para impulsionar o desenvolvimento nacional

Out_Movimento_Convencoes_CE

Troca de experiências, premiações, discussões sobre o cenário econômico, exemplos de inovação, expectativas para o fim do ano e muita integração. As convenções estaduais realizadas nos meses de agosto e setembro movimentaram as demandas do setor e trouxeram novo fôlego e união para enfrentar o fechamento de um ano turbulento.

Na Bahia, o tema central do 35º Congresso Estadual do Comércio Lojista foi “Por um varejo cada vez mais motivado e unido”. Novas tecnologias, redes sociais e seu impacto nos negócios refletiram nas mudanças de comportamento do consumidor. “Considero um sucesso! Reunimos grandes nomes, com um conteúdo que conseguiu empolgar as pessoas. Foram temas urgentes e necessários, trabalhados com leveza e bom humor. Todo o retorno que tenho recebido é de que conseguimos cumprir bem nossa missão com esse evento”, avaliou Antoine Tawil, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) da Bahia.

Apesar de um primeiro semestre difícil economicamente, o tom dos presentes no evento era positivo. Sinais de recuperação, como a queda de juros e da inflação, ecoaram na programação e a expectativa é de um fim de ano com aumento nas contratações e vendas. “Esse é o momento certo para que o varejista vá em frente e acredite no nosso país e na nossa cidade”, incentivou Tawil.

A 35ª Convenção Estadual do Comércio Varejista do Estado do Rio de Janeiro reuniu, em Teresópolis, aproximadamente 250 representantes do movimento lojista fluminense, entre presidentes e diretores de entidades, e debateu, por meio de palestras, o tema “Comércio brasileiro: desafios, tendências e perspectivas”. Para o presidente da FCDL do Rio de Janeiro, o cenário exige união de esforços. “O momento que vivemos no estado faz com que tenhamos que nos unir, nos abraçar e somar esforços. Ao término da convenção, precisamos que cada lojista aqui presente reproduza os aprendizados em cada canto do estado do Rio”, declarou.

Honório Pinheiro, presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), também reforçou a necessidade de superar os desafios. “É um momento de reconstrução e de esperanças. Sabemos que há dificuldades, mas já entendemos que há sinais de um bom descolamento da economia com a política. As coisas começam a caminhar, mas não podemos baixar a guarda”, destacou.

Com o tema “Integrar e aprender”, cerca de 400 líderes cedelistas, autoridades e lojistas marcaram presença na 25ª edição da Convenção do Comércio Lojista Mineiro. A programação combinou as experiências de sucesso de profissionais renomados no mundo do empreendedorismo, o aprendizado e a troca de experiências entre os presentes.

“É sempre um imenso prazer escutar as boas histórias contadas pelas nossas CDLs [Câmaras de Dirigentes Lojistas]. Fico imensamente feliz de saber que as entidades usufruem do conhecimento e da criatividade para enfrentar e vencer os obstáculos de cada dia”, afirmou o presidente da FCDL de Minas Gerais, Frank Sinatra, ao entregar o Prêmio CDL Destaque na abertura do evento. As CDLs de Betim, Elói Mendes e Itajubá foram homenageadas.

Durante a 28ª edição da Convenção Estadual do Comércio, realizada em Beberibe, no Ceará, cerca de mil lojistas de todo o estado discutiram os desafios para um novo momento do setor. Mesmo com sinais ainda tímidos de recuperação da economia, o sentimento entre os lojistas do estado é de otimismo e de que o pior já passou. Para representantes do comércio varejista, o momento agora é de preparação para um novo momento, buscando atender à demanda de um consumidor mais exigente, em um cenário mais competitivo.

“A percepção que nós temos é essa, de que chegamos a um limite de queda e que depois disso a tendência é voltar a crescer”, disse Freitas Cordeiro, presidente da FCDL do Ceará. “E isso não é só discurso. Os números estão aí, os juros estão caindo, a inflação está domada e um dos componentes mais importantes para a economia, que é o emprego, está sinalizando um crescimento”, declarou. Para ele, é preciso perseguir o aumento de eficiência, usando ferramentas tecnológicas como meio para o desenvolvimento.

 

shares