4 de janeiro de 2017
Meios de Pagamentos no Varejo e Serviços:
Varejo SA por Varejo SA

Crédito ou débito? É cada vez mais comum para o consumidor ouvir esta pergunta ao chegar no balcão. Em algum momento, o varejista também se depara com a dúvida e precisa decidir quais formas de pagamento colocará à disposição dos seus clientes, uma vez que a demanda dos consumidores pelo pagamento com cartões é crescente e também mais segura.

Seguir oferecendo somente a opção do dinheiro pode custar caro. Isso não significa, porém, que a opção pelas modalidades mais recentes de pagamento não imponha seu custo. Assim, qual o alcance dos cartões de crédito, débito e outras modalidades de pagamento online entre empresários do varejo e de serviços.

72,3% dos empresários de varejo e serviços aceitam os cartões de crédito como meios de pagamento

70,1% dos empresários de varejo e serviços aceitam os cartões de débito como meios de pagamento

O dinheiro físico é a principal opção oferecida pelas empresas. 96% dos varejistas aceitam

Os cheques são aceitos por 22,3% dos empresários

As formas de pagamento on-line, como PayPal e PagSeguro, ocupam pequeno espaço no mercado, com 0,6% e 2,2%, respectivamente

Além do dinheiro ser um meio de pagamento oferecido em praticamente todos os estabelecimentos, é também uma das principais formas de recebimento para 60,9% dos empresários, enquanto o cartão de crédito é mencionado por 51,5% e o de débito por 41,2%.

[sc name=”titulo-secao-app” cor=”#17346c” titulo=”As vantagens e desvantagens do uso do cartão de crédito”]

Os empresários que dão a opção de pagar com cartões enxergam tanto vantagens como desvantagens em oferecer o uso do cartão de crédito como meio de pagamento.

As principais vantagens relatadas são: menor risco de inadimplência (47,8%), não ter que ir ao banco fazer depósitos (29,0%) e atrair novos clientes (23,6%).

Já os pontos negativos são ligados às taxas das administradoras: aluguel da máquina (44,4%) e redução da margem de lucro devido às taxas pagas (33,2%). Há ainda 20,0% que dizem ter que elevar os preços para conseguirem pagar as taxas de administração e 19,7% citam a demora para receber o reembolso do valor vendido.

Quatro em cada dez empresários que recebem através de cartões (41,9%) afirmam descontar o percentual que o cartão cobra sobre as vendas para o cliente que pagar em dinheiro à vista

Já a prática de oferecer desconto para pagamento à vista é admitida por mais da metade dos entrevistados (59,1%), incluindo até mesmo aqueles que não aceitam cartões. Entre estes, o percentual médio de desconto é de 8,1%

[sc name=”titulo-secao-app” cor=”#17346c” titulo=”O que pode mudar?”]

Entre as principais medidas sobre o mercado de cartões de crédito, débito e assemelhados que estão sendo discutidas junto ao Governo e que poderiam contornar os inconvenientes e contribuir para o crescimento de seus negócios, os varejistas elencam a redução das taxas e prazos de recebimento de 30 para 2 dias (mencionada por 44,3%); a isenção das taxas de administração cobrada dos estabelecimentos (44,3%); a redução dos custos de antecipação de vendas feitas no cartão de crédito (23,3%); e a cobrança de tarifa fixa sobre cada transação de cartão de débito (21,5%), além de outras.

Para os empresários, o consumidor também seria beneficiado, com preços melhores dos produtos (35,0%); mais opções de forma de pagamento (23,6%); a opção de pagar mais barato a depender da forma de pagamento escolhida (21,5%); e um maior número de estabelecimentos vendendo no cartão de débito (16,2%).