11 de novembro de 2016
GS1 Brasil apresenta loja automatizada
Varejo SA por Varejo SA

Entidade propõe soluções de automação para o varejista ampliar a atuação no mercado e garantir maior eficiência na gestão de sua loja

A Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil tem um papel fundamental no varejo, contribuindo com toda a sua expertise em inovação dos negócios. Constantemente, se reúne com o setor para demonstrar como os padrões de tecnologia auxiliam na automação de uma loja. Um importante projeto desenvolvido pela empresa é o simulador de estoque que mostra como o código de barras pode beneficiar o lojista com o controle das mercadorias, redução de ruptura das gôndolas e a identificação correta e única dos produtos.

Confira entrevista com Virgínia Vaamonde, CEO da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/11/3-entrevista-virginia.jpg” ]

Qual é o principal objetivo do simulador de estoque?

Com essa iniciativa demonstramos como a gestão de uma loja pode ser eficiente quando  os processos internos estão padronizados e identificados com os padrões globais da GS1 e, principalmente, que o investimento a um baixo custo pode gerar inúmeros benefícios ao lojista e seus clientes.

Nesse processo, o código de barras é fundamental?

Sim. Com o código de barras, as informações dos produtos são precisas e substituem os processos de identificação manuais, o que minimiza os erros e otimiza o fluxo dos dados. Além disso, pequenos varejistas podem ampliar a atuação no mercado e vender seus produtos para as grandes redes do varejo que exigem a identificação individual das mercadorias.

Qual é o principal ganho com a adoção do código de barras?

Para o varejo, um controle melhor de seu estoque. Para o consumidor, menos tempo no momento do check out por não ter que esperar a digitação manual das informações referentes ao produto.

Ainda existe algum estabelecimento que não utiliza o código de barras?

Embora o código de barras tenha mais de 30 anos no Brasil, ainda existem estabelecimentos que não o utilizam para a identificação das mercadorias, muitas vezes por desconhecer a simplicidade da implantação.