4 de janeiro de 2017
Forró para todos!
Varejo SA por Varejo SA

[sc name=”legenda-foto-nome” nome=”Bráulio Bessa” texto=”Empreendedor Cultural”]
[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/10/2-coluna-braulio.jpg” ]

No último dia 13 de dezembro, comemoramos mais um aniversário do maior representante da cultura nordestina e, sem sombra de dúvidas, um dos maiores artistas brasileiros. O filho de Januário e Santana, Luiz Gonzaga do Nascimento, O rei do baião.

Gonzagão, como ficou conhecido pelo público que o coroou e lhe deu o título e status de Rei. Não só do baião, mas de toda a manifestação cultural de milhões de nordestinos que se sentiam representados pela figura emblemática vestida de gibão e chapéu de couro.

Gonzagão revolucionou o mercado da música brasileira, apresentou o xaxado, o xote, o baião e, claro, o forró para o mundo, fazendo com que o universo sertanejo invadisse todas as rádios do país através da melodia de sua famosa sanfona branca.

E o próprio “forró” embalado em passos de gratidão, fez questão de retribuir a gentileza e homenagear o rei, já que em 6 de setembro de 2005 foi instituída e sancionada pelo presidente da república a lei que tornou o dia do nascimento de Luiz Gonzaga o dia Nacional do Forró.

Um artista do povo, um rítmico para todos! Existem algumas teorias do surgimento da palavra forró. A mais conhecida afirma que o termo surgiu no Brasil por volta do século XIX, em volta das antigas construções de estradas de ferro, comandadas por ingleses.

Os ingleses organizavam inúmeras festas. Porém, quase sempre eram eventos fechados. Nas pouquíssimas vezes que a entrada do povo era liberada, eles exibiam um grande cartaz ao pé da porta de entrada, escrito: “For All”. Nesse caso: “Para todos”.

Como o povo adora criar palavras, tornando seu dialeto único e rico, acredita-se que dai surgiu a pronúncia Forró. E pegou! Afinal, o forró realmente é para todos!

Como poeta que sou, e apaixonado por forró, brindo essa coluna com uma homenagem que fiz ao forró em forma de literatura de cordel:

Já rodei nas terras desse mundão,
do sertão fui bater nos estrangeiro,
minha fama se espalhou no mundo inteiro,
segurei o povo pelo coração…

todo mundo animado no salão,
Tum Tum Tum já chegou o zabumbeiro,
a poeira vai subindo no terreiro,
pois, pra mim, não carece de chiqueza,
se o simples é o segredo da beleza,
serei simples como o povo brasileiro.

Gonzagão foi o meu embaixador
Foi meu Rei, protetor, advogado
pelo povo escolhido e coroado
e seu canto inté hoje não calou
A sanfona dedilhada com amor
Mesmo assim já fui muito difamado
pois tem cabra por aí desinformado

Que não sabe minha história, meu suor
E se for pra falar mal do forró
Acho muito melhor ficar calado.

Viva Seu Luiz! Viva o Forró!