24 de setembro de 2019
Espumante: a bebida do momento no Brasil
Varejo SA por Varejo SA

As vendas do produto cresceram acima dos 50% em 2019, comparadas ao mesmo período do ano passado

Os espumantes são vinhos com presença de gás carbônico obtido por meio de uma segunda fermentação. É esse gás que dá aquele efeito bonito de borbulhas na taça, ficando dissolvido no líquido e se desprendendo quando a garrafa é aberta. De acordo com a história, a bebida foi inventado em 1693, na França. Aqui no Brasil, os consumidores têm dado cada vez mais espaço para os espumantes em suas mesas, de modo que o consumo desse produto tem crescido consideravelmente nos últimos anos.

Servidora pública e assídua consumidora de bebidas, Claudia de Oliveira, 48 anos, acredita que o produto já faz parte da rotina das suas comemorações e momentos em família: “Quando vou ao mercado fazer as compras do mês, sempre me lembro de trazer uma ou duas garrafas de espumante. Independentemente de aniversários ou grandes datas festivas, criamos o costume de tomar uma taça nos almoços de domingo. Para mim, a grande vantagem é apreciar o sabor e a qualidade”.

Os números da Cooperativa Vinícola Garibaldi, uma das cinco principais fabricantes nacionais da bebida borbulhante, comprovam o sucesso. O preferido para encher as taças dos consumidores brasileiros é o tipo moscatel, líder no ranking dos mais vendidos da marca. As variedades do tipo rosé despontam de forma promissora: em 2018, responderam por 28% das vendas de espumantes; em 2019, esse percentual subiu para 33% no primeiro semestre.

O gerente de Marketing e do Complexo Enoturístico da Garibaldi, Maiquel Vignatti, atribui o crescimento do consumo à qualidade da bebida. “O principal motivo está ligado ao perfil do produto: o espumante é acessível e vai bem em qualquer situação. Os do tipo moscatel têm tido uma maior aderência por conta do menor teor de álcool, maior carga aromática, leveza e sabor. Acreditamos que o espumante tem sido uma alternativa de bebida para o novo consumidor”, declara.

No primeiro semestre de 2019, a venda de espumantes cresceu acima dos 50% no comparativo com o mesmo período do ano anterior. Ainda para este ano, Vignatti adianta que a Garibaldi trará uma novidade para o mercado: “Estamos lançando o primeiro proseccoice do Brasil, espumante para ser bebido com gelo ou para fazer drinques; será nossa aposta para o segundo semestre”.

Conheça os tipos de espumante

Nature

É o espumante mais seco, com açúcar residual de 3 g/l. Esse teor é obtido com a exclusão do licor de expedição do processo, daí seu nome nature, indicando que o espumante está “ao natural”, sem intervenção alguma.

Extra brut

Com concentrações de açúcar variando entre 3,1 e 8 g/l, são considerados ainda espumantes bastante secos. São bebidas de sabor complexo e marcante, que costumam apresentar acidez pronunciada.

Brut

O espumante brut apresenta concentração de açúcar entre 8,1 e 15 g/l. Costuma apresentar um final ainda seco, porém mais versátil que o extra brut. É também o espumante seco mais comum nas prateleiras e o mais recomendado para quem gosta de vinhos menos doces.

Sec ou seco

Apresentando entre 15,1 e 20 g de açúcar residual por litro, apesar do nome, o espumante do tipo seco apresenta um perfil de sabor muito equilibrado e com doçura moderada. Leve de beber e com uma acidez suave e agradável, é o mais indicado para quem está começando a experimentar e exercitar o paladar

Demi-sec

Também chamado meio seco, o demi-sec apresenta uma amplitude grande de teor de açúcar: entre 20,1 e 60 g/l. Essa grande variação faz com que o perfil de doçura deste tipo de espumante varie bastante entre os rótulos, só podendo ser avaliado depois de aberto.

Doce

Sendo o tipo mais doce, este espumante deve conter uma concentração de açúcar superior a 60 g/l, o que lhe confere um dulçor facilmente perceptível. O moscatel é uma excelente pedida para aqueles que querem experimentar um espumante mais doce.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *