30 de julho de 2019
Dois em cada dez usuários de cartão de crédito no Brasil já são clientes de fintechs e bancos digitais
Varejo SA por Varejo SA

Atraídos por “desburocratização”, taxas mais baixas e outras facilidades, jovens de 18 a 34 anos são maioria entre os adeptos da virada digital financeira

Foi-se o tempo em que era necessário aguardar longas horas na fila do banco para resolver as pendências financeiras. Com a virada digital, o atendimento presencial parece estar cada vez mais perto de entrar em extinção. A mudança foi tão rápida que, atualmente, dois em cada dez usuários de cartão de crédito no Brasil (21%) são adeptos dos bancos digitais e das chamadas fintechs – empresas da área de serviços financeiros com processos totalmente baseados em tecnologia. Os dados são de pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Como já era de se esperar, as instituições financeiras “moderninhas” fazem a cabeça dos mais jovens: na faixa dos 18 aos 34 anos, o número aumenta para 32%. Para ter uma ideia, apenas 11% dos usuários de serviços 100% digitais têm idade igual ou superior a 50 anos. A baixa adesão dos mais velhos pode ser explicada pela forma como os consumidores chegaram às instituições digitais: mais da metade (53%) dos que têm conta aberta em fintechs e bancos digitais ficou sabendo dos serviços por meio de pesquisa na internet. O restante se informou por meio de uma propaganda (33%) e indicações de amigos (31%).  

De fato, a economia no pagamento de taxas, juros e anuidade é o principal atrativo que levou clientes de bancos tradicionais a aderir à virada digital (54%), mas a possibilidade de resolver tudo pela internet sem ter que passar pela burocracia do atendimento presencial também não ficou atrás, sendo a opinião de 49% dos entrevistados, enquanto outros 41% se beneficiaram do combo facilidade mais agilidade na aprovação do crédito e dos serviços financeiros. Ainda assim, os bancos tradicionais seguem sendo a preferência de 76% dos usuários de cartão de crédito – outros 36% são provenientes de lojas.

“O consumidor tornou-se mais exigente à medida que passou a ter controle sobre como e quando terá acesso a determinados produtos. Esse cenário levou à popularização dos bancos 100% digitais, os quais têm como apelo a oferta de serviços com mais eficiência e melhores taxas”, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

GRANDES PODERES, GRANDES RESPONSABILIDADES

Com a expansão da oferta de serviços bancários, o cartão de crédito consolida-se como um dos queridinhos entre as modalidades de compra parcelada no Brasil. O levantamento mostra que sete em cada dez consumidores (77%) recorreram ao cartão para despesas pessoais no último ano, sendo que 66% fizeram uso dele todos os meses. Com cada entrevistado possuindo, em média, dois cartões de crédito, as oportunidades de endividamento também dobram, especialmente quando se trata dos 20% de pessoas ouvidas que não analisaram as tarifas cobradas, em geral, por falta de interesse (14%).

Apesar de 60% dos entrevistados afirmarem que controlam os gastos com cartão de crédito, 39% admitem que a gestão não é feita de forma frequente, número que representa um aumento de dez pontos percentuais em relação a 2018. Consequentemente, 46% dos brasileiros que fizeram compras com cartão de crédito no último ano ficaram com nome sujo e 32% tiveram o cartão bloqueado por falta de pagamento da fatura, especialmente entre os usuários com idades entre 35 e 49 anos (42%). Olhando pelo lado positivo, embora 14% continuem com o nome sujo, um terço (33%) já conseguiu regularizar a situação.

“O controle financeiro do cartão de crédito, feito com regularidade e antecedência, é a única maneira de o consumidor saber o quanto já gastou e o quanto ainda pode gastar. De nada adianta conferir a fatura no fim do mês, quando as despesas já foram realizadas. O ideal é, antes de fazer uma aquisição com o cartão, saber se essa despesa está mesmo dentro do orçamento previsto”, alerta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

TOP 5 GASTOS COM CARTÃO

A virada digital não se restringe apenas aos serviços oferecidos por essas instituições financeiras. A pesquisa revela que compras pela internet são o principal motivo que levou os consumidores a utilizar o cartão de crédito (46%), seguidas da insuficiência de fundos para realizar o pagamento à vista (33%) e de casos em que o valor da compra é muito alto (32%). Mas, afinal, quais foram os produtos que mais levaram os consumidores a apelar para o cartão de crédito nos últimos 12 meses?

– Roupas, calçados e acessórios (54%).

– Eletrônicos (54%).

– Farmácia (remédios e outros) (47%).

– Supermercado (46%).

– Eletrodomésticos/eletroportáteis (45%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *