21ª edição

Conheça mais sobre os trabalhos da equipe de Relações Governamentais e Institucionais

Por Renata Dias

jun_desenvolvendovarejo_pag20

Você sabe o que faz uma equipe de Relações Governamentais e Institucionais? De forma bem resumida, são eles que fazem chegar aos tomadores de decisões políticas o posicionamento de uma instituição sobre determinado assunto. É dever deles atuar junto aos atores do poder legislativo para esclarecer e sensibilizar sobre os impactos das matérias em discussão no parlamento.

No Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) a equipe de RIG é composta por quatro pessoas: André Luiz Pellizzaro, Bianca Robles, Karoline Pereira e uma aprendiz. “Nosso trabalho é acompanhar e tratar projetos que possam causar impactos ao ambiente de negócios e à nossa instituição. Quando falamos em tratar os projetos significa apresentar fundamentos e elementos de análise para sua aprovação, derrubada ou reformulação”, explica André Pellizzaro.

A equipe conta com uma ferramenta que auxilia no monitoramento dos projetos de lei que possam impactar o setor varejista de forma geral. De acordo com o assunto do projeto, e com a ajuda de departamentos jurídicos das instituições, a equipe trabalha junto com a área técnica para avaliações. A partir daí, o trabalho é feito dentro do Congresso Nacional. “Ao identificar o projeto, traçamos um perfil dos parlamentares envolvidos e iniciamos a sensibilização, marcando audiências e atuando nas audiências e comissões para falar dos impactos que aquela medida pode ter”, destaca Bianca.

Eles também são associados a ABRIG – Associação Brasileira de Relações Governamentais, que reúne profissionais da área interessados em pensar sua atividade e fazerem-se representar no debate público em torno da participação da sociedade civil e do setor privado nos processos de decisão política. Vale frisar que a ABRIG produziu o primeiro Código de Conduta do Profissional de Relações Institucionais e Governamentais e garante uma atuação desses profissionais de forma republicana.

“A associação oferece cursos, capacitação e promove, com frequência, um café com autoridades, que é uma boa oportunidade de interação. Por exemplo, neste ano, o principal foco está no cenário político por conta das eleições gerais”, explica Bianca. Além do Cadastro Positivo, que contou com a atuação da equipe de RIG, outros projetos muitos outros projetos estão sendo acompanhados, como a legislação sobre o Aviso de Recebimento (Lei do AR), a duplicata eletrônica e projetos sobre proteção de dados estão no radar.

Eles destacam a importância da mobilização das entidades do Sistema CNDL junto aos parlamentares dos seus estados para conscientizar os legisladores e conquistar vitórias nos projetos de interesse do setor. “A nossa força está na nossa capilaridade. Quando os líderes do sistema, em sua cidade, conseguem desenvolver um trabalho junto aos parlamentares locais, a nossa assertividade, nossa força no Congresso fica muito maior. O trabalho nos estados é fundamental”, finaliza Pellizzaro.

shares