3 de dezembro de 2019
Datas festivas: contratações temporárias auxiliam a alta demanda do comércio
Andréia Bastos por Andréia Bastos

O diretor do IBVendas, Mário Rodrigues, explica os benefícios da contratação temporária para o varejo

As festas de fim de ano se aproximam e a alta demanda do mercado, característica desse período, faz com que empresários e varejistas se preparem para atender melhor aos clientes. Uma das estratégias adotadas pelas empresas para cumprir esse objetivo é a contratação de novos funcionários, geralmente, temporários.

As empresas devem estar atentas para identificar os profissionais mais adequados para as funções. Segundo o diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas), Mário Rodrigues, existem algumas características imprescindíveis que devem ser observadas para contratar um bom profissional, principalmente aqueles que executarão atividades ligadas às vendas, como os atendentes e os vendedores. “É necessário buscar pessoas que sejam comunicativas e criativas, transmitam positividade e tenham bom conhecimento técnico, além de disporem de interesse genuíno em solucionar o problema de cada cliente”, explica.

O diretor do IBVendas aconselha que as empresas procurem vendedores experientes, que tenham atuado no comércio e entendam a dinâmica de vendas desse período do ano, sendo necessária apenas a adaptação ao estilo ou método da nova empresa. Por isso, é fundamental investir em projetos de capacitação que avaliem e treinem funcionários com talento para a função.

Treinamento de profissionais temporários

Rodrigues acredita que ainda há um longo caminho a percorrer em relação ao treinamento de profissionais temporários. De acordo com o diretor, é possível perceber que as empresas não se preparam para recebê-los. “Infelizmente, nós temos observado no mercado que muitos deles sequer são treinados. As empresas acabam sendo pegas de surpresa pela alta demanda e muitos funcionários temporários acabam se virando, não por conta do treinamento que receberam, mas porque, empiricamente, vão tentando e aprendendo”, explica.

O treinamento desses funcionários é fundamental para o contratado e o contratante. Uma  equipe formada por  profissionais temporários garante às empresas um aumento da agilidade e flexibilidade para acompanhar e responder aos movimentos do mercado, por isso é preciso investir em qualificação para evitar possíveis prejuízos. “O aprendizado empírico, de aprendizado e erro, costuma ter alto custo, porque cada erro pode ser uma venda perdida, um cliente insatisfeito ou, pior, um cliente falando mal do negócio”, ressalta Rodrigues.

Tendo em vista o treinamento das equipes e o avanço na capacidade produtiva delas, os vendedores, temporários ou não, devem ser treinados para ter a capacidade de dominar as habilidades técnicas para conduzir o trabalho, para trazer melhores resultados para as empresas e para si, podendo ser contratado no futuro, após boa performance.

As contratações temporárias e o varejo

Afinal, quais são as influências para o varejo? Confira:

  • Melhoria da qualidade do atendimento.
  • Agilidade e flexibilidade para atender às demandas.
  • Permite ao recém-contratado se colocar no mercado e receber um salário, estimulando as compras e, consequentemente, a economia.

Assim como o setor industrial, o varejo é utilizado como termômetro para medir o avanço ou o retrocesso da economia. Por isso, investir em contratação temporária é essencial para estimular os setores do comércio, indústria e serviços. E aí, já se planejou para enfrentar o fim de ano?

Fique de olho: trâmites burocráticos

É preciso estar atento. As regras para contratação temporária são regidas pela Lei nº 6.019/1974, atualizada em 2017, que estabelece normas específicas para esse tipo de contrato.

A lei prevê que o trabalhador temporário deve ter o mesmo salário do trabalhador efetivado, além de ter direito a recebimento de horas extras, contribuição ao INSS, FGTS, 13º salário e férias proporcionais ao período trabalhado, adicional por trabalho noturno e repouso semanal remunerado.

O contrato de trabalho tem a duração atrelada à necessidade transitória da empresa e o período máximo para contratação é de até seis meses, podendo ser prorrogado por até mais três meses.


Mário Rodrigues, diretor do IBVendas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *