3 de novembro de 2018
Conheça a geração Z: engajados, tecnológicos e influentes
Amanda Venício por Amanda Venício

Nascidos entre 1994 e 2002, os membros da geração Z cresceram com as redes sociais e navegam o mundo pelo celular. Eles têm opiniões fortes, formadas por meio de interações com amigos e influenciadores digitais. É o que indica o relatório The gen Z, da Criteo, empresa internacional de marketing para e-commerce, que analisou o comportamento de milhares de jovens no Brasil, Estados Unidos, França, Alemanha, Japão e Reino Unido.

Os jovens dessa geração estão em um momento de formação de identidade e abertos a novas marcas. “A geração Z representa uma oportunidade-chave, pois se trata de um grupo influente e poderoso de consumidores que tende a desenvolver laços mais fortes e maior fidelidade às marcas”, avalia Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina.

Outra descoberta do relatório é que as compras on-line não oferecem uma experiência completa: eles sentem falta do toque e da gratificação imediata das compras em lojas físicas. “O estudo da Criteo revela que essa geração é muito mais tátil que as outras. Experimentar o mundo em primeira mão, de viagens a produtos, é importante para ela. Nesse cenário, a função das lojas físicas é justamente suprir essas necessidades”, analisa Firmino.

Enquanto 75% preferem fazer o máximo de compras possível no ambiente on-line, 65% não gostam de comprar coisas novas a não ser que possam tocá-las. Uma parcela importante dessa geração também enfrenta dificuldades com lojas virtuais: 38% afirmaram ter dificuldade de encontrar o que gostam on-line e 35% revelaram não se sentir seguros ao fazer compras pela internet.

Fazer compras na loja é uma experiência que ainda atrai a geração Z. Entre eles, 80% gostam de fazer compras pessoalmente quando têm tempo, 71% aproveitam a experiência para descobrir o que está na moda e 80% adoram visitar lojas novas. O design é o principal fator que motiva a visita às lojas físicas entre os jovens de 16 a 24 anos, seguido da possibilidade de encontrar produtos diferenciados.


Mesmo que a aquisição não seja feita on-line, a internet exerce um papel importante na decisão de compra: 34% praticam webrooming, termo que define o hábito de fazer pesquisas on-line para depois comprar o produto na loja física. O scan and scram (olhar o produto na loja e fazer a compra on-line em uma concorrente) é praticado por 27% dos entrevistados. Já o click and collet (comprar on-line para pegar na loja física) tem menor adesão entre eles: é hábito de apenas 17%.

Esses hábitos revelam que o varejo precisa estar preparado para oferecer um ambiente de multicanalidade caso queira garantir a preferência de clientes da geração Z. “Como eles são omnishoppers por natureza, o desafio para os varejistas é oferecer experiências de compra relevantes, satisfatórias e, acima de tudo, personalizadas durante toda a jornada. Para isso, é necessário criar estratégias sólidas baseadas em dados que permitam conhecer bem as preferências desses consumidores e, assim, conectá-los a produtos exclusivos das últimas tendências”, indica Firmino.

Sempre com um smartphone na mão

Esses dados nunca foram tão fáceis de ser coletados: a geração Z passa mais tempo no telefone do que qualquer outra. Snapchat (52%), Facebook (55%) e Instagram (52%) são os aplicativos preferidos. Em média, eles assistem a 23 horas de conteúdo por semana. “Enquanto navegam, os consumidores da geração Z fornecem informações valiosas sobre seus hábitos, gostos e preferências. Essa imensa quantidade de dados gerados contribui para criar estratégias bem-sucedidas”, afirma.

Na mão desses jovens, a internet torna-se uma ferramenta importante de comparação de produtos, preços e marcas. Quando se trata de produtos de beleza e saúde, mais da metade compara produtos de um mesmo site e 30% visitam diversos deles, mas o hábito de visitar lojas on-line não indica compra certa: 28% costumam colocar itens no carrinho, mas não fecham a compra. Descontos (62%), devolução gratuita (58%) e fotos atraentes (57%) são os principais elementos que podem mudar esse cenário e garantir uma venda.  

Os valores da marca são mais um fator importante para a decisão de compra dos membros da geração Z: 62% gostam de anúncios publicitários que trazem valores. Conforme analisa o diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina, “é essencial que as marcas comuniquem sua missão e valores de maneira relevante, buscando conexões emocionais entre a marca em si e os integrantes da geração Z”.


O que as marcas que incorporam os valores da geraçãoZ oferecem?
Experiências personalizadas

  1. Produtos de edição limitada.
  2. Lojas físicas atraentes.
  3. Histórias inspiradoras e autênticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *