9 de outubro de 2018
Comprar é diversão
Varejo SA por Varejo SA

A centralidade do consumo na sociedade moderna vem sendo cada vez mais alvo de críticas. Há um questionamento sobre os estilos de vida pautados na compra por impulso, na efemeridade da usabilidade dos produtos e fortemente na ansiedade de consumir por consumir, sem qualquer consciência sobre endividamento, o que acarreta mau uso de recursos ambientais ou perda de energia focalizada nas coisas, como também na sua manutenção.

 

Grandes movimentos têm surgido, como trocas em bazares de segunda mão, brechós de vários itens, aplicativos, sites de desapego para promover compras de artigos usados e tutoriais para reuso de produtos, e um novo mercado nasce defendendo a bandeira do consumo consciente, gerando impacto socioambiental e no varejo.

 

No entanto, a pergunta que sempre me fazem é: por que as pessoas compram?

 

O resultado da compra é um conjunto de coisas que, reunidas, dizem quem somos no mundo, expressam nosso gosto, demonstram alguma característica que precisamos expor, nos distinguem e, ao mesmo tempo, nos inserem no mundo. Somos aquilo que consumimos.

 

Na alimentação, nos shows que escolhemos assistir, nos móveis de casa, nas roupas que vestimos e combinamos, vivemos em uma sociedade que nos classifica a partir do que optamos por usar e esse uso está diretamente ligado às nossas escolhas de compra.

 

Ao mesmo tempo que há todo esse lado, comprar também é diversão, é lúdico e passou a fazer parte do entretenimento. Desde a compra de itens que não eram nada relevantes, como escolher itens de cozinha, a adquirir novos sapatos, o ato de comprar está repleto de diversão e o papel do varejo é proporcionar essa leveza no lazer.

 

Por isso, o visual merchandising ganha mais relevância a cada dia. Estar num ambiente confortável passa a ser mais do que um plus, fazendo-se essencial. Assim como a trilha sonora das lojas, agrados aos clientes, como bebidinhas e guloseimas, passam a fazer parte desse conjunto de mimos que traduz hospitalidade. Como o tempo é a nova moeda, os consumidores precisam ter convicção de que estão em um lugar agradável e divertido, para que aquele momento possa ser prazeroso e fazer sentido.

 

A experiência precisa estar além do seu produto. O encantamento é construído dia a dia e possui várias camadas de percepção.

 

Varejista, seja um bom anfitrião. Mesmo não comprando em uma primeira visita, se o consumidor encontrar acolhimento, ele voltará. Pense em longo prazo. Invista nas pessoas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *