20ª edição
hilanie_2018
Para as não mães
1 de maio de 2018
equipe_trabalho
Varejo ganhará laboratório de inovação
1 de maio de 2018

Fale de dinheiro

Por Marcela Kawauti Economista-chefe do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

Dinheiro para tomar um café, dinheiro para ir ao salão de beleza, dinheiro para fazer a compra do mês, contratar um seguro, pagar o aluguel. O dinheiro está de tal forma presente na nossa vida cotidiana que raramente paramos para pensar no seu significado ou repensar seu uso. É melhor ter do que falar a respeito.

Estudo recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostrou que, mesmo dentro de casa, a regra é o silêncio quando o assunto é dinheiro. Menos da metade dos consumidores entrevistados garantiu falar com frequência sobre os gastos e o orçamento familiar. Os outros dividem-se entre os que só falam na hora do aperto, os que não acham necessário e os que contornam o assunto para evitar brigas.

Sim, brigas. O tema “dinheiro” é sensível, especialmente dentro da esfera familiar. Debaixo de um mesmo teto, as preferências e prioridades podem ser bastante divergentes. Talvez o único consenso seja de que, quanto mais dinheiro, melhor. Mas a escassez dos recursos impõe, na maioria dos casos, que se façam escolhas. Mudar de assunto não resolve o problema; no máximo, adia e o torna ainda mais grave. Com o tempo, extrapola o bolso e afeta o convívio.

Para ser efetivo, o planejamento do orçamento deve envolver e mobilizar todos. Havendo um objetivo comum, essa mobilização fica mais fácil. Também é importante que o planejamento conjunto não anule completamente o espaço da individualidade. O ideal é que os participantes do orçamento tenham uma margem para usar como quiser.

Em suma, é preciso que haja transparência, diálogo e objetivos em comum. Os filhos também podem entrar na conversa, devendo ser educados desde cedo para que saibam o valor de cada centavo. Vivemos um cenário em que oito em cada dez consumidores dizem estar com pendências ou no limite do orçamento. Nem todos podem atribuir essa situação à crise econômica dos últimos anos. Em muitos casos, o desequilíbrio é consequência de escolhas equivocadas.

Neste mês, o Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) organiza uma semana inteira para falar de dinheiro, a Semana ENEF. É uma grande chance para esclarecer dúvidas e dar um novo passo no planejamento do orçamento doméstico. O evento acontecerá entre os dias 14 e 20 de maio e promoverá ações de educação financeira em todo o país, com participação on-line e presencial. Você encontra a programação detalhada no site do evento (www.semanaenef.gov.br). Participe, dissemine e não se acanhe: fale mais de dinheiro.

shares