1 de outubro de 2017
Câmara do Conhecimento
Varejo SA por Varejo SA

Por João Marcondes

Arte e comércio integrados

Out_Camara_KAKAguima2
“Do lixo é que tiramos o luxo. Menos é mais”, Kaká Guimarães, empreendedor cultural.

Quando Juscelino Kubitschek inaugurou a capital federal, nos anos 1960, ofereceu à renomada atriz de teatro Dulcina de Moraes, do Rio de Janeiro, um espaço público em Brasília para fazer uma faculdade de artes, que levou seu nome. O projeto foi bem tocado até a morte da atriz, nos anos 1990, quando o espaço conheceu o abandono. Hoje, virou uma fundação teatral, que passa por uma revitalização intensa. Esse movimento integrou-se ao comércio da região, um conjunto de prédios, cortado por ruas públicas, chamado Conic.

Desde março de 2016, foram realizados mais de cem eventos, como feiras de roupas, livros, discos, além de festas e shows. Capitaneado pelo publicitário e empreendedor criativo Kaká Guimarães, de 38 anos, o Conic mudou de cara. “Antes, diziam que esse lugar era um lixo, pois do lixo é que tiramos o luxo. Menos é mais”, vangloria-se.

A praça central do Conic, antes ocupada por usuários de drogas, agora é palco para shows e feiras lucrativas. Comerciantes de diferentes partes do Distrito Federal vão ao local expor seus produtos e os que ali estão também só enxergam vantagens com a nova movimentação.

São 18 meses de atividades na nova fase do Dulcina de Moraes. Os números são animadores: mais de 50 mil pessoas passaram pelos eventos e as vendas aumentaram cerca de 80% para as casas locais, em média, segundo estimativas dos próprios lojistas. “Vamos provar que a cultura pode ser um forte indutor do comércio e de valorização de uma área central da cidade. A região tem tudo para ser a Lapa ou a rua Augusta de Brasília”, conclui Guimarães.

 

Pontos de virada 

  • Revitalização com eventos.
  • Valorização do centro da cidade.
  • Comércio que se desloca da periferia para o centro.
  • Uso da cultura como indutor do comércio.
  • Feiras externas trazem movimento para o lojista fixo.

 

Salto: Em 18 meses, mais de 50 mil pessoas circulantes e aumento de 80% nas vendas.

 

 

Monumento às artes e às compras

Out_Camara_mayaramachado

“No shopping, é uma experiência mais mecânica. Num lugar turístico, cria-se uma conexão afetiva, é diversão, conhecimento histórico”, Mayara Machado, arquiteta.

 

Kaká Guimarães fez um chamado para jovens empreendedores espalharem o vírus da economia colaborativa em Brasília, no ano passado. Uma das pessoas a atender à convocação foi a arquiteta Mayara Machado, de 26 anos, que expandiu o conceito aplicado no Conic para o restante da cidade.

“Oscar Niemeyer foi quem disse que Brasília já é um monumento turístico por si só”, ensina. “Só que esses monumentos vivem vazios, com pouca circulação. Com as feiras chegando a esses lugares, automaticamente criam-se ambientes com vida”, diz a arquiteta, produtora de eventos como a Feira do Rock, que já está se tornando tradicional na cidade e ocupa espaços como o Museu Nacional, na Esplanada dos Ministérios, e a Praça do Cruzeiro (até pouco tempo abandonada), em que foi rezada a primeira missa da capital.

Um conceito interessante que Mayara traz é que a experiência de compras é muito diferente quando levada a um lugar desses, quando comparada, por exemplo, a um shopping center. “No shopping, é uma experiência mais mecânica. A pessoa vai comprar porque precisa. Num lugar turístico, cria-se uma conexão afetiva, é diversão, conhecimento histórico”, detalha.

E não deve parar por aí! A ideia de ressignificação da urbanidade, muitas vezes esvaziada da capital, segue forte. Um dos próximos projetos de feira acontecerá num túnel escondido, quase ermo, do Lago Norte, bairro mais afastado da cidade. “Intervenções como essas trazem, além de vida, mais segurança e diversidade para nossa Brasília”, conclui Mayara.

 

Pontos de virada

  • Ocupação de lugares com pouca circulação.
  • Conexão afetiva do comércio com a história da cidade.
  • Segurança para lugares desocupados.
  • Urbanismo integrado com atividade comercial.
  • “Experiências turísticas” fortalecem as vendas.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *