3 de setembro de 2017
A evolução do uso da energia elétrica nos shoppings brasileiros
Varejo SA por Varejo SA

Iniciativas de eficiência energética trazem redução de custos e benefícios para o meio ambiente

Por Joana Marins

shutterstock_85753825

É impossível acompanhar as notícias e nunca ter escutado o termo “aquecimento global”. Geralmente, essas duas palavras vêm acompanhadas de previsões preocupantes de um futuro com altas temperaturas, aumento nos níveis dos oceanos, entre outras consequências indesejáveis. Um dos culpados é o setor energético, sendo o maior responsável pelas emissões de gases de efeito estufa, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco).

A boa notícia é que não param de surgir formas cada vez mais fáceis de lidar com o problema. Shoppings de todo o Brasil têm abraçado a causa e feito esforços que melhoram o meio ambiente e diminuem significativamente as contas de luz.

O Shopping Vitória é um dos exemplos dessa mudança. Durante o horário de pico, das 18h às 21h, o local utiliza um tanque de água gelada não potável de uso permanente (que não se perde, pois é manipulada dentro de um circuito fechado). Unido a outras medidas – como revestimento das claraboias com película solar, que permite a entrada de luz natural e ajuda a diminuir a temperatura ambiente, e uso de reatores eletrônicos que diminuem o desperdício e a compra de energia no mercado livre –, contribuiu para que o estabelecimento tivesse uma economia de 35% na conta de luz.

“A sustentabilidade remete ao lado ambiental, mas não podemos esquecer que ela é ligada também ao financeiro. Entendemos essas ações como uma forma de nos tornarmos mais competitivos, uma necessidade, quando se analisa que, no ano de 2010, Vitória tinha três shoppings e hoje tem oito. Por isso, passamos a ter a sustentabilidade como pilar do nosso planejamento estratégico”, conta o gerente de Operações e Manutenção do Shopping Vitória, Cícero Nobre.

Para o presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Sahyoun, essa preocupação tem se tornado muito comum, principalmente com o aumento das tarifas públicas. Ele alerta que o custo da energia representa 22% do total do gasto com condomínio. “A tendência é buscar alternativas com ganho de eficiência que reflitam no custo. A tecnologia ajuda, pois é dinâmica e avança rapidamente. A automação também é ótima, com as escadas rolantes e elevadores inteligentes, que otimizam as viagens de acordo com a demanda. Essa modernização colabora para que tenhamos um consumo menor e custo reduzido, tão importante para o lojista”, afirma.

 

Sem gasto com projetos

Set_VarejoCidadao_Aldemir Spohr (EDP)
Aldemir Spohr, diretor da EDP Soluções

Todas essas mudanças podem parecer caras e, realmente, eram há algum tempo. Contudo, ações do governo, que passaram a impulsionar o mercado livre e o surgimento de empresas de conservação de energia, mudaram essa realidade. Hoje, é possível ter uma análise completa da eficiência energética do estabelecimento e ter máquinas mais modernas sem um capital prévio. A EDP, por exemplo, realiza esse trabalho. Ao ser contratada, a companhia faz uma análise da infraestrutura elétrica e das necessidades energéticas do cliente, de forma a apresentar a melhor solução possível para reduzir o consumo de energia e entregar performance semelhante ou superior àquela que antes se atingia. No momento da implantação, a EDP concentra em si todo o trabalho de gestão, ficando responsável pela administração do projeto e pela garantia dos resultados. “Nós financiamos a troca de equipamentos e o serviço paga-se com a economia que gera. É um mercado novo que está em crescimento, pois oferece muitas vantagens”, conta o diretor da EDP Soluções, Aldemir Spohr.

Ações como estas e outras do tipo são mais que bem-vindas, pois o segmento de shoppings é responsável por um consumo considerável de energia no Brasil. Para ter uma ideia, colocando todos os 562 shoppings do país enfileirados, haveria um caminho de 32 milhões de metros quadrados, o que equivale a uma área maior que o estado de Alagoas, ou seja, transformações na área podem modificar significativamente o futuro do planeta e também – por que não – das contas de luz.

DICAS PARA LOJISTAS

Ter mais eficiência energética na sua loja ou empreendimento é muito mais fácil e barato do que imagina. Seguem algumas dicas de especialista que vão deixar sua consciência ambiental e sua conta de luz mais leves. Grande parte das sugestões é referente ao ar-condicionado, que representa de 60% a 70% do consumo total de energia.

  • Faça a manutenção dos seus aparelhos periodicamente. Pequenos reparos aumentam a vida útil das máquinas e garantem performance
  • Ligue e desligue seu aparelho de ar-condicionado no horário certo. A temperatura amena da noite pode manter o ambiente agradável por mais tempo, podendo retardar um pouco o momento de controlar a temperatura artificialmente. O mesmo acontece no final do dia. Após uma manhã e tarde de ar-condicionado ligado, tente desligá-lo cerca de meia hora antes de encerrar o expediente. Ninguém sente a diferença e a economia é enorme.
  • Mantenha o ar-condicionado em uma temperatura razoável. O corpo humano costuma ter conforto térmico com 23 °C, inclusive no verão.
  • Tente utilizar ao máximo a ventilação natural.
  • Utilize lâmpadas do tipo diodo emissor de luz (LED).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *